Ensaios de Sociologia

O Surgimento das Ciências Sociais e as Teorias Clássicas 

Apresentação 

A sociologia, no contexto maior do conhecimento científico, surge como um conjunto de idéias voltadas para o entendimento da sociedade moderna. Seu surgimento não decorre da cabeça de um único pensador, mas de um processo completo de busca de explicações racionais sobre a sociedade. Nos termos de Ianni (1989), a sociologia é uma disciplina da modernidade, que expressa um momento excepcional do desenvolvimento do mundo, permitindo assim uma reflexão profunda sobre a trama das relações sociais.  

O objetivo maior deste módulo é oferecer um primeiro instrumental teórico desta ciência, enfocando o processo histórico de sua formação, assim como seus paradigmas centrais. A proposta é ir além da mera reprodução dos conteúdos conceituais, instigando o trabalho reflexivo a partir da compreensão do conhecimento produzido pelas escolas clássicas do pensamento sociológico, que serão rapidamente apresentadas, abrindo a possibilidade do exercício da crítica, sempre a ser realizada em confronto com as questões postas pela realidade social atual.  

Utilizaremos como material de apoio, os textos: As ciências sociais e o processo histórico de Arnaldo Lemes Filho (In: MARCELLINO, Nelson C.(org.). Introdução às Ciências Sociais. Campinas, SP: Papirus, 1988), e o capítulo III do livro: Sociologia: uma introdução ao estudo da sociedade de Maria Cristina C.Costa.  
 

«Dwerners/Exercícios»


 
 

AS CIÊNCIAS SOCIAIS E O PROCESSO HISTÓRICO 
 

Arnaldo Lemos Filho 
 

"A sociologia não se afirma primeiro como explicação científica e, somente depois, como forma cultural de concepção do mundo. Foi o inverso o que se deu na realidade. Ela nasce e se desenvolve como um dos florescimentos intelectuais mais complicados das situações de existência nas modernas sociedades industriais."

Florestan Fernandes, 1971, p.274 
 

      Não se pode negar que duas preocupações se fazem constantemente presentes no espírito humano: dominar a natureza e explicá-la. A primeira é responsável pelo processo civilizatório e pelo aparecimento da sociedade, enquanto a segunda, simultânea e relacionada à primeira, tem determinado a produção de conhecimento sobre a natureza e a sociedade, tais como o mito, a religião, a filosofia e a ciência.

      O objetivo deste capítulo é analisar o processo histórico do aparecimento das Ciências Sociais, isto é, mostrar o momento em que os fenômenos sociais começaram a ser objeto do conhecimento científico e estudar os fatos históricos que propiciaram o surgimento e a formação destas ciências.

      A preocupação em conhecer e explicar os fenômenos sociais sempre se fez presente na história da humanidade. Mas a tentativa de se dar uma explicação científica ao comportamento social e às condições sociais de existência dos seres humanos é um produto recente do pensamento. Foi somente na Idade Média, com a emergência da sociedade capitalista, que alguns pensadores se esforçaram em aplicar o método científico ao conhecimento dos fenômenos que acontecem na vida social, tendo em vista as crises e desordens sociais provocadas pelas transformações que ocorreram na sociedade.  

 

A Filosofia Social 

      A preocupação dos pensadores em relação aos fenômenos sociais no período anterior à formação da sociedade industrial, era mais filosófica do que científica. Embora sua atenção fosse despertada pelas causas econômicas e políticas que abalavam continuadamente as estruturas sociais do seu tempo, em lugar de tomarem uma atitude objetiva diante dos problemas que se lhes apresentavam, levados por razão de ordem prática, preocupavam-se mais em descobrir os remédios que trouxessem uma solução para as crises sociais. Os estudos a respeito da vida social tinham sempre por objetivo propor formas ideais de organização da sociedade, mais do que compreender-lhe a organização real. Assumiam, portanto, um ponto de vista normativo, no sentido de buscarem estabelecer normas ou regras para a vida social, e finalista, no sentido de proporem como finalidade da vida social a realização desta organização social. Florestan Fernandes lembra que mesmo as filosofias greco-romanas e medievais, que deram relevo especial à reflexão sistemática sobre a natureza humana e a organização das sociedades, contrastam singularmente com a explicação científica (Florestan Fernandes, 1960, p.31). É que “elas tinham, com efeito, por objeto, não explicar as sociedades tais e quais elas foram, mas indagar o que as sociedades devem ser, como elas devem organizar-se para serem tão perfeitas quanto possível” (Émile Durkheim apud Florestan Fernandes, op. cit, p. 31).

      Na Antiguidade, por exemplo, esses estudos eram fragmentários. Limitavam-se a reflexões esparsas a respeito de algumas questões sociais, nunca reunidos, entretanto, num sistema coerente. Embora Platão (427/348 a. C.) com A República e As Leis e Aristóteles (385/322 a. C.) com A Política tivessem tomado a sociedade em sua integridade, organizada em Cidade-Estado (pólis), o fato político sob o domínio de um interesse puramente ético tinha prioridade sobre o fato social.

      Isso significava que os pensadores antigos, não tomando a própria sociedade como um objeto específico de conhecimento, apreenderam, como objeto essencial de estudo, uma parte da vida social, como a política ou a moral, mas numa perspectiva normativa e finalista.

      O longo período da Idade Média foi pouco propício ao processo científico e, consequentemente, ao estudo científico dos fatos sociais. Os pensadores medievais prendiam-se a discussões metafísicas que conduziam à justificação da fé cristã. Tudo girava em torno dos interesses da Igreja que monopolizava todo o pensamento da época. A preocupação com julgamentos de valor apriorísticos, o apelo constante à autoridade e ao dogmatismo religioso impediam o desenvolvimento da investigação científica. A sociedade não era pensada no seu todo e, se havia certa preocupação com os problemas sociais, os estudos eram também fragmentários e caíam no âmbito da filosofia ética e religiosa. Podemos dizer que a filosofia, durante todo o período medieval, permaneceu derivada de uma fonte revelada como preparação da salvação da alma. Voltavam-se os teólogos á construção de um ideal a priori, embora utópico, da vida social, porque eles não concebiam senão uma sociedade fundada sobre os princípios religiosos, uma imagem terrestre da cidade de Deus. É o que caracterizava, por exemplo, a obra fundamental de Santo Agostinho (354-430), A Cidade de Deus, e a elaboração da filosofia cristã, a chamada filosofia escolástica, que alcançou o mais alto nível em Santo Tomás de Aquino (1227-1274), com A Suma Teológica.  
 


 

Da Filosofia Social às Ciências Sociais 

      Já no final da Idade Média despontou um movimento de reação à escolástica. Foram os prenúncios da libertação do pensamento ao dogmatismo católico que se efetivou finalmente no período agitado do Renascimento, quando se abriram novas perspectivas ao saber humano. A influência teológica, que não permitia ver as coisas senão à luz dominante da salvação eterna, deu lugar a uma perspectiva muito mais independente que favorecia a livre discussão de questões do ponto de vista racional. Foi sendo elaborado um novo tipo de conhecimento, caracterizado por uma objetividade e realismo que marcaram a separação nítida do pensamento do passado, modificação tão claramente definida que se poderia dizer que um novo estágio se iniciava na explicação dos fenômenos da natureza e, consequentemente, dos problemas sociais e humanos. Foi o estágio do conhecimento baseado na experimentação de que nos fala Kilpatrick, iniciado ruidosamente por Galileu Galilei (1564-1642) e que fará depois, o século XX, o “século de ouro da ciência”, na expressão de Whitehead.

      Em relação à interpretação ou à explicação dos fenômenos da natureza, a ciência substitui inteiramente a filosofia, pois torna-se sinônimo de “ciências naturais”. Estas desprendem-se do tronco comum que era a filosofia, conseguindo delimitar seu campo de estudo com objetos específicos. A Física, no século XVII, com Galileu, Química, no século XVIII, com Lavoisier, e a Biologia, no século XIX, com Claude Bernard, Haeckel e outros.

      As mesmas condições que propiciaram a especificação das “ciências naturais” favoreceram as chamadas “Ciências Sociais”: 
 

  •  
    •  

        A mesma paixão pela realidade e o mesmo espírito de investigação que deram largas em descobertas no mundo da natureza, voltaram-se finalmente para o mundo da natureza humana e para as relações sociais, numa tentativa de compreender estas de igual. E, de maneira idêntica, mesmo método que provara tão bem no estudo do universo físico foi transportado para o novo campo de estudo que fica desde então impregnado do espírito científico (Osborn. A comunidade e a sociedade: introdução à sociologia, 1961, p.355).

  •  
    •  

        .  
         

      Por outro lado, é necessário procurar os fatores específicos da formação das Ciências Sociais. Eles se encontram nas condições materiais e intelectuais do desenvolvimento do mundo moderno. As Ciências Sociais não são somente produto da reflexão de alguns pensadores, mas o resultado de certas circunstâncias históricas e de algumas necessidades materiais e sociais (Martins, 1984, p.10).

      Para Florestan Fernandes, três série de convergências parecem responsáveis pela lenta, mas progressiva substituição da concepção normativa e especulativa por uma representação positiva da vida social: fatores de natureza sociocultural, fatores de natureza intelectual e fatores decorrentes da própria dinâmica do chamado “sistema de ciências” (Florestan Fernandes, op. cit., p. 31).  
 

Fatores Socioculturais 
 

      Uma série de mudanças ocorridas na vida política e econômica da Europa, tais como ascensão da burguesia, a formação do Estado Nacional, a descoberta do Novo Mundo, a Revolução Comercial, a Reforma Protestante, contribuiu para modificar a mentalidade do homem moderno. O século XVIII, principalmente, assistiu a fatos fundamentais que definiram o desaparecimento da sociedade feudal e a consolidação da sociedade capitalista. Um destes fatos foi, sem dúvida, a Revolução Industrial. Iniciada na Inglaterra, nos meados do século, provocou transformações profundas na sociedade européia, tornando problemática a própria sociedade. Trouxe mudanças na ordem tecnológica, pelo emprego intensivo e extensivo de um novo modo de produção com o uso da máquina; na ordem econômica, pela concentração de capitais, constituição de grandes empresas provocando a acumulação de riquezas; e na ordem social, pela intensificação do êxodo rural e conseqüente processo de urbanização, desintegração de instituições e costumes, introdução de novas formas de organização da vida social e, sobretudo, a emergência e a formação de um proletariado de massas com sua específica consciência de classe.

      Antes, as formas estabelecidas da vida social se revestiam de caráter sagrado: era como se o próprio Deus tivesse estabelecido as normas que deveriam reger as ações humanas, o que tornava essas normas, de certo modo, intocáveis. No mundo moderno, uma exigência geral de eficiência, no sentido de encontrar solução para as crises e os problemas provocados pelos novos acontecimentos, fez com que muitas formas de organização social, até então sagradas, passassem a ser vistas como produto histórico e sujeitas a transformações. Desse modo, a validade das normas e das formas de organização social estabelecidas deixa de ser vista como algo de absoluto e indiscutível. Tal atitude secularizada, isto é, alheia às coisas sagradas, favoreceu a difusão de um espírito crítico e de objetividade diante dos fenômenos sociais.  
 


 

Fatores Intelectuais 
 

      Simultaneamente às mudanças ocorridas na vida econômica e social, modificações surgiram nas formas de pensamento, nos modos de conhecer a natureza e a sociedade.

      A contribuição de alguns pensadores, a partir do século XVI, foi fundamental para a formação das Ciências Sociais. Já no final da Idade Média houve um florescimento de utopias, descrições pormenorizadas de sociedades ideais: Thomas Morus (1478-1535), com A Utopia, Jean Bodin (1530-1596), com A República, Francis Bacon (1561-1626), com Nova Atlantis e Campanella (1568-1634), com A Cidade do Sol, apresentaram os seus projetos de uma nova sociedade.

      O emprego sistemático da razão, como conseqüência de sua autonomia diante da teologia, possibilitou a formulação de uma nova atitude intelectual, o racionalismo, não só em relação aos fenômenos da natureza, mas também em relação aos fenômenos humanos e sociais.

      Algumas contribuições foram básicas. Maquiavel (1469-1527), com O Príncipe, e Hobbes (1588-1679), com O Leviatã, consideravam ser a vida da sociedade baseada no uso da força. Maquiavel, ao separar a ética da política, favoreceu a constituição de uma ciência política. O já citado Francis Bacon apresentava um novo método de conhecimento, baseado na experimentação, que tomava o lugar do conhecimento teológico. Descartes (1596-1650), em Discurso sobre o Método, introduzia a dúvida metódica no conhecimento, favorecendo uma nova forma de conhecimento baseado na razão.

      De um modo especial, a Filosofia da História foi um fator decisivo na formação das Ciências Sociais. Foram os filósofos da história que tiveram a responsabilidade por uma nova concepção de sociedade como algo mais do que uma sociedade política ou o Estado, possibilitando a distinção entre Estado e sociedade civil (Bottomore, 1918). A idéia geral do progresso que ajudaram a formular influiu profundamente na concepção que o homem tem da história e da sociedade. Vico (1668-1774), em Os princípios de uma ciência nova, afirmava que é o homem que produz a história e que a sociedade poderia ser compreendida porque constitui obra dos próprios indivíduos. Adam Ferguson (1723-1816), em Ensaio histórico sobre a sociedade civil, discutiu a natureza da sociedade e suas instituições.

      Esse interesse pela História e pelo desenvolvimento foi despertado pela rapidez e profundidade das transformações sociais e econômicas e também pelo contraste das culturas que as viagens dos descobrimentos revelaram. O acúmulo de informações sobre os costumes e as instituições “exóticas” dos povos não-europeus colocou a nu a extraordinária variedade das formas de organização social.

      Mas sobretudo na França, nos séculos XVII e XVIII, a contribuição da filosofia foi extraordinária. Diante da situação social do país, resultado das contradições das classes sociais, os filósofos franceses pretendiam não apenas transformar as formas de pensamento, mas a própria sociedade. Afirmavam que, à luz da razão (Iluminismo), é possível modificar a estrutura da velha sociedade feudal. Condorcet (1742-1794) queria aplicar os métodos matemáticos no estudo dos fenômenos sociais. Montesquieu (1689-1755), em O espírito das leis, definia pela primeira vez a idéia geral de lei (“relações necessárias que derivam da natureza das coisas”) e afirmava que os fenômenos políticos estavam sujeitos às leis naturais, invariáveis e necessárias, tanto quanto os fenômenos físicos. Rousseau (1712-1778), em suas teorias de O contrato social, teve uma influência decisiva na formação da democracia burguesa e, consequentemente, na mudança das instituições sociais.

      A Revolução Francesa (1789) trouxe o poder político à burguesia, destruiu os fundamentos da sociedade feudal e promoveu profundas inovações na vida social. Mas, junto com a Revolução Industrial, trouxe crises e desordens na organização da sociedade, o que levou alguns pensadores a concentrar suas reflexões sobre as suas conseqüências. Surge então o positivismo. Preocupados em encontrar “remédios” para as crises sociais do momento, os positivistas queriam explicar os problemas sociais que ocorriam e chegaram à conclusão de que os fenômenos sociais, como os físicos, estavam sujeitos a leis rigorosas. Saint-Simon (1760-1825) preconizava a transferência de todo o poder da sociedade para as mãos dos cientistas e industriais, com o objetivo de restaurar a ordem social. Mas é com seu discípulo Augusto Comte (1798-1857) que as Ciências Sociais, de um modo específico a Sociologia, começaram a se delinear como ciências autônomas. Principal representante do positivismo francês, Comte não só deu o nome à nova ciência, que antes denominara Física Social, mas empreendeu a primeira tentativa sistemática da caracterização de seu objeto, métodos e problemas fundamentais, bem como a primeira tentativa de determinar a sua posição no conjunto das ciências.

      A idéia central do positivismo é muito simples: nas Ciências Sociais, como nas ciências da natureza, é necessário afastar os preconceitos e as pressuposições, separar os julgamentos de fato e os julgamentos de valor  (Lowy, 1975, p.11).

. A finalidade é, nas Ciências Sociais, atingir a mesma neutralidade, imparcial e objetiva, que se atinge na Física, na Química e na Biologia. Daí se evidenciam as implicações ideológicas conservadoras dessa concepção: se as leis sociais são leis naturais, a sociedade não pode ser transformada. Ao contrário dos filósofos iluministas, considerados negativistas por Augusto Comte, o positivismo privilegiava a aceitação passiva do status quo social.  
 

 

O Sistema de Ciências 
 

      A terceira série de fatores, também decisiva para a formação das Ciências Sociais, está na própria dinâmica do “sistema de ciências”. A evolução das ciências está diretamente ligada à necessidade de controlar a natureza e compreendê-la. Vimos que as crises provocadas pelos acontecimentos sociais no século XVIII provocaram uma convicção de que os métodos das ciências da natureza deviam e podiam ser estendidos aos estudos das questões humanas e sociais, e que os fenômenos sociais podiam ser classificados e medidos. No mundo moderno, o conhecimento científico se tornou o sistema dominante de concepção do mundo e, aos poucos, os fenômenos sociais também caíram sob o seu domínio. É evidente que não se pode dizer que essa dinâmica seja a causa do surgimento das Ciências Sociais, porque, na verdade, as leis científicas não passaram a ser aplicadas à realidade social simplesmente porque eram aplicadas com sucesso no conhecimento dos fenômenos da natureza. Mas, sem dúvida, principalmente a partir do século XVIII, a necessidade de se desenvolver técnicas racionais para controlar os conflitos criados pelas crises da época acabaria levando á formação das Ciências Sociais.  
 

 

As Ciências Sociais 

      Não é objetivo deste capítulo analisar como se deu a divisão das Ciências Sociais, isto é, explicar o momento histórico em que o estudo científico da sociedade se subdividiu em várias ciências, cada uma especializada num aspecto particular da vida e da organização da sociedade, como a Economia, a Antropologia, a Sociologia, a Política. Ao analisar a formação das Ciências Sociais, Bottomore conclui que, no inicio, elas foram absorvidas pela Sociologia que era uma ciência enciclopédica, evolucionista e positiva. Enciclopédica porque se ocupava da totalidade da vida social do homem e da totalidade da história. Evolucionista porque, sob influência da Filosofia da História, reforçada pela teoria biológica da evolução, concebia a sociedade como um organismo e tentava formular leis gerais de evolução social. Positiva porque era concebida como uma ciência de caráter idêntico aos das ciências naturais. Mas sobretudo, tornou-se a ciência da nova sociedade industrial, adquirindo não só um caráter científico, mas sobretudo ideológico, pois idéias conservadoras e radicais entraram no seu desenvolvimento, dando origem a teorias conflitantes e provocando controvérsias que continuam até hoje (Bottomore, op.cit., p.20).

      Atualmente, Sociologia, Antropologia, Economia e Política são ciências com objetos de estudo específicos e que se relacionam mutuamente, pois os fenômenos sociais são extremamente complexos. Mas a definição do objeto de cada ciência social decorre também da resposta que se dê à questão sobre o que torna possível a organização social das relações entre os homens. A tradição das Ciências Sociais possui três respostas clássicas a esta questão: a de Èmile Durkheim, a de Max Weber e a de Karl Marx. São considerados os clássicos das Ciências Sociais, não só porque representam pontos de vista distintos a respeito da objetividade científica do conhecimento da vida social, mas porque a riqueza e profundidade teórica de suas obras constituem elementos básicos para a explicação científica dos fenômenos sociais. Durkheim (1858-1917), seguindo a tradição positivista de Comte, preocupou-se em estabelecer um método e definir o objeto da Sociologia, ao mesmo tempo que procurou encontrar soluções para a manutenção da sociedade que surgiu após as revoluções. Para ele a organização social é possível graças ao consenso ou à “consciência coletiva” e a Sociologia tem como objeto o “fato social”. Weber (1864-1920) enfatiza os aspectos subjetivos e simbólicos das relações sociais e delimita o campo de estudo da Sociologia dentro da noção de “ação social”. Marx (1818-1883), ao contrário do positivismo, que busca a manutenção e a preservação da sociedade capitalista, parte de uma crítica radical a este tipo de sociedade. Concebe a organização da sociedade como resultado das relações de produção e toma as relações de classe como objeto próprio da Sociologia.

      Até hoje as contribuições destes clássicos têm sido fonte de inspiração para os cientistas sociais. À esteira deles, têm-se desenvolvido estudos que favorecem a consolidação de uma mentalidade científica no tratamento dos diversos campos das relações sociais. Os acontecimentos do século XX, tais como o crescimento do capitalismo, monopolizando produtos e mercados, a eclosão das guerras mundiais, a organização do proletariado, as revoluções socialistas, o desenvolvimento dos meios de comunicação, da informática, ao mesmo tempo que se tornam objeto de análise das Ciências Sociais, trazem questionamentos básicos sobre sua própria existência.

      Muitas vezes as Ciências Sociais têm sido usadas para produzir conhecimentos de interesse de classes dominantes, tornando-se instrumentos de controle, o que acarreta a burocratização e a domesticação de suas pesquisas. Outras vezes, mantêm uma postura crítica diante da ideologia dominante, trazendo como conseqüência perseguições e incompreensões.

      A verdade é que não existe ciência definitiva, pois o conhecimento renova-se continuadamente. Mas, seja enfatizando os fatores de estabilidade e manutenção da organização social, seja valorizando mais os seus aspectos teóricos, seja dando primazia às pesquisas empíricas, as Ciências Sociais têm, ao longo do processo histórico, encontrado o seu lugar no quadro das ciências.  

 

Bibliografia 

BOTTOMORE, T. B. O estudo da sociedade. In: ___________. Introdução à sociologia. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

CASTRO, Ana Maria; DIAS, Edmundo F. Introdução ao pensamento sociológico. Rio de Janeiro: Eldorado, 1974.

FERNANDES, Florestan. A sociologia: objeto e principais problemas. In: __________. Ensaios de sociologia geral e aplicada. São Paulo: Pioneira, 1960.

MARTINS, Carlos Benedito. O que é sociologia. São Paulo: Brasiliense, 1984 (coleção primeiros passos, vol. 57).  

Sugestão de Leituras 

BERGER, Peter. Perspectivas sociológicas. São Paulo: Circulo do Livro, 1976.

COSTA, Cristina. Sociologia: introdução à ciência da sociedade. São Paulo: Moderna, 1997.

MARTINS, Carlos Benedito. O que é sociologia. São Paulo: Brasiliense, 1989 (coleção primeiros passos).

OLIVEIRA, Luiz Fernandes de; COSTA, Ricardo C. Rocha da. Sociologia para jovens do século XXI. Rio de Janeiro: Imperial Novo Milênio, 2007.

QUINTANEIRO, Tânia; BARBOSA, Maria Lígia; OLIVEIRA, Márcia Gardênia. Um toque de clássicos: Durkheim, Marx e Weber. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1996.

TOMAZI, Nelson Dacio. (coord.). Iniciação à sociologia. São Paulo: Atual, 1993.  

Questões para refletir:  

  1. Como as transformações dos séculos XVIII e XIX alteraram as relações entre indivíduo e sociedade?
  2. Como a sociedade passa a expressar contradições em sua estrutura social com a emergência de novos grupos sociais?

 

Filmes:

  1. Nós que aqui estamos por vós esperamos. Direção: Marcelo Masagão, 1998 (55 min);
  2. Tempos Modernos. Direção: Charles Chaplin, 1936 (87min);
  3. Germinal. Direção: Claude Berri, 1993 (170min).

Sociologia (1901) por Paul Fauconnet e Marcel Mauss

Palavra criada por August Comte para designar a ciência das sociedades. Ainda que a palavra seja formada por um radical latino e uma desinência grega e por esta razão os puristas, por muito tempo, se tenham recusado reconhecê-la, encontra-se hoje de posse do direito de cidadania em todas as línguas européias. Procuraremos determinar sucessivamente o objeto da sociologia e o método que ela emprega. A seguir indicaremos as principais divisões da ciência que se constitui sob este nome.

Notar-se-á, sem dificuldade, que nos inspiramos diretamente nas idéias expressas por Durkheim em suas diferentes obras. Se, além disso, as adotamos, não é somente porque nos parecem justificadas por razões teóricas, mas também porque nos parecem exprimir os princípios pelos quais as diversas ciências sociais, no curso de seu desenvolvimento, tendem a tornar-se sempre mais conscientes.

 

«Dwerners/Exercícios»

1. Objeto da Sociologia

add text, images, video, widgets, etc...

 

Do fenômeno social

add text, images, video, widgets, etc...

 

Da explicação sociológica

add text, images, video, widgets, etc...

2. Método da Sociologia

add text, images, video, widgets, etc...

 

Definição

add text, images, video, widgets, etc...

 

Observação dos Fatos

add text, images, video, widgets, etc...

 

Sistematização dos Fatos

add text, images, video, widgets, etc...

 

Caráter científico das hipóteses sociológicas

add text, images, video, widgets, etc...

3. Divisão da Sociologia

add text, images, video, widgets, etc...